quinta-feira, 10 de julho de 2014

‘NDRANGHETA – UMA ONORATA SOCIETÀ





Por Pedro Manuel Pereira


     
 A origem do nome 'Ndrangheta não é pacífica, sendo que há quem advogue que provem do grego dragathía, que significa heroísmo e virtude, ou do grego andros agathos, equivalente a homem bom. É filha do Mezzogiorno (como é denominado o sul da Itália). Também referida como Famiglia Montalbano, Onorata Società e Picciotteria, esta é uma associação com cariz mafiosa, nascida na região da Calábria muito antes da própria unificação italiana (1861). Sabe a força que a religião católica tem naquelas terras, por isso a sua estrutura organizativa é baseada no catolicismo, que é uma forma de angariar a aceitação popular.  
A cúpula, a chefia da organização é denominada La Santa (em homenagem a Maria, mãe de Jesus). As micro células de poder têm nomes associados à Bíblia como, Vangelo (Evangelho) por exemplo, espécie de seleção dos 33 principais capos da entidade. Tanto o Vangelo como La Santa (e os 'ndranghetistas em geral) adotam o Arcanjo Gabriel como seu protetor, por isso a sua imagem é motivo de devoção pelos membros da máfia calabresa e provavelmente usada nos rituais de iniciação, onde o candidato jura fidelidade ao grupo sob o nome de Jesus Cristo. Ironicamente, Gabriel é o protetor da polícia do Estado italiano.
É menos conhecida que as suas congéneres sicilianas Cosa Nostra (Sicília) e Camorra (Campânia), não obstante, desde 1990 é a mais influente e poderosa destas associações originárias de Itália.
Em virtude da Cosa Nostra ter perdido o seu poder nos anos da década de 80, aproveitando as brechas abertas no seio desta organização, subestimada pela Justiça, a 'Ndrangheta cresceu, deixando de ser uma corporação de pastores de montanha para se inserir de vez no mercado mundial de entorpecentes, sobretudo cocaína. Fortaleceu-se e passou a ser uma ameaça global.
Neste país teme-se mais a Ndrangheta que as agremiações antes referidas, por ser mais violenta e poderosa.    
Tornou-se conhecida como uma influente organização criminosa após ter falhado o Golpe Burghese (alusão aos 46 neofascistas supostamente implicados neste golpe, condenados em 29 de Maio de 1977 por conspiração política e posteriormente absolvidos pelo Tribunal de Apelação de Roma). 
O seu padrinho, Paolo de Stefano é considerado o responsável por ter transformado a ‘Ndrangheta a partir de um grupo mafioso rural, numa das maiores organizações criminosas do mundo. Subestimada e considerada, durante muito tempo menos importante do que a Mafia siciliana, a ‘Ndrangheta fortaleceu-se e passou a ser uma ameaça global.
Dentro do seu país, a ‘Ndrangheta atua com força no norte e no centro, em regiões como Piemonte, Lazia e mais recentemente, também na Lombardia.
Pese embora os membros do crime organizado italiano sejam geralmente apodados de mafiosi, os membros de qualquer clã 'ndrangheta distinguem-se por serem conhecidos como 'ndrinus, e o clã como 'ndrina.
Não é fácil entrar na máfia calabresa, uma vez que esta se organiza em torno de quase cem famílias favorecendo mais a linhagem que o mérito - daí a sua extraordinária coesão - com mais de 5 mil membros só na península itálica, num total que ascenderá a mais de 60 000 filiados, torna-se necessária uma relação de consanguinidade para entrar na organização. Movem-se à vontade nos meios que frequentam, mantendo uma aparência humilde, discreta, não ostentando sinais exteriores de riqueza.
São raros os desertores ou «arrependidos» no seus seio. Até recentemente registava-se em Itália unicamente 157 testemunhas de calabreses no programa nacional de testemunhas.
As autoridades policiais estimam que a ‘Ndrangheta fature mais de 45 mil milhões de euros por ano, o que equivalerá a 3,5% do PIB italiano. Dessa faturação, 62% correspondem ao produto da venda de cocaína.
De acordo com o ministério do interior do seu país de origem, esta é a maior «empresa» de Itália, muito acima da Ferrari ou a Fiat. Crê-se que em 2013 faturou 53 000 milhões de euros, mais do que a McDonalds e o Deutsch Bank juntos.
Os seus negócios são provenientes do tráfico de droga, da extorsão e da usura, do comércio de armas, exploração da prostituição, empresas de construção, restaurantes, supermercados e da lavagem de dinheiro através de grandes contratos de obras públicas que conseguem por intermédio das suas relações com altos dirigentes políticos, entre outras atividades ilícitas.
Opera a partir da Calábria, daí ser conhecida como máfia calabresa. Por vezes unem-se à máfia siciliana dada a sua proximidade, no entanto são muito diferentes em estrutura e ação.
O Santuario della Madonna di Polsi, em San Lucas, na Calábria, é considerado o seu principal refúgio e um dos principais locais de reunião dos seus membros.
Pelle, Vottari, Pesce, Condello, Bellocco, Nirta, Strangio, Barbaro, Acquino, Trimboli, Commisso, Piromalli, Molè, Mancuso, Arena, Farao e Morabito, são algumas das suas famílias mais conhecidas.
Nas últimas décadas a ‘Ndrangheta estendeu os seus tentáculos económicos por numerosos países com a Alemanha, França, Reino Unido, Suíça, Bélgica, Espanha, Portugal, entre outros, aproveitando-se ainda das comunidades de italianos emigrantes para criar bases em mais de 30 países.
A Banca italiana define as referidas organizações criminosas como «as principais empresas do país», por juntas obterem uma faturação anual estimada em mais de 150 000 milhões de euros, representando 10% do PIB italiano.
No caso da ‘Ndrangheta, cerca de 62% dos seus lucros são provenientes da venda e distribuição da cocaína na Europa; quer dizer, 27 milhões de euros. Através das suas «filiais» noutros países detém 80% das vendas deste estupefaciente, controlando a maior parte das portas de acesso da droga ao velho continente. Em vez de simplesmente comprar a droga, a ‘Ndrangheta torna-se sócia do empreendimento, envia calabreses para morar nos locais de produção e distribuição e, caso necessário, força casamentos e comunhões entre famílias conforme a antiga tradição mafiosa.
Argentina, Perú, Bolívia, Equador e Colômbia, são pontos de referência para a compra de drogas. Cada quilo de cocaína que compram a estes produtores custa-lhes 500 mil euros. Os químicos permitem-lhe aumentar a quantidade até obterem 4,5 quilos por cada quilo, e cada grama é vendida ao consumidor europeu a 50 euros. Isto é, por cada quilo os narcotraficantes têm um lucro de 225 mil euros.
Em seguida os lucros obtidos são investidos desde Roma até às zonas mais ricas da Europa, na Alemanha, na Bélgica, na Holanda, em especial no setor imobiliário.
A maior fatia do facturamento é proveniente da venda da droga, porém, a 'Ndrangheta pratica ainda hoje o sistema de extorsão que tornou célebre este género de clãs italianos. Trata-se de o pizzo, raiz indissociável das regiões do sul da Itália, berço de todas as máfias, que é cobrado a empreendedores e profissionais liberais - nomeadamente comerciantes e industriais - em troca de «proteção».
O facturamento com esse tipo de atividade - cerca de 3 mil milhões de euros por ano - é baixo se comparado às transações globais de dinheiro nos cofres desta organização.
A Confederação das Indústrias da Calábria estima que cerca de 70% dos empresários locais pagam o pizzo, quer em dinheiro, quer empregando pessoas indicadas pelos clãs ou comprando a revendedores impostos pela organização.
A extorsão serve, na verdade, para manter uma tradição: a do controle do território. Mesmo sendo uma «multinacional» do crime, a 'Ndrangheta continua a estar ainda hoje umbilicalmente ligada à sua terra. 
Desde que nascem, espera-se que os filhos dos ‘ndranghetisti sigam os passos dos seus pais. Durante a juventude, os «herdeiros» passam por um processo de aprendizagem para se converterem em giovani d’onore  (jovens de honra), podendo cada qual aspirar a entrar na organização como um dos 1 527 uomini d’onore  (homens de honra).
Esta organização foi – e é - fundamental para configurar uma estrutura que, diferentemente da máfia siciliana é horizontal, o que os ajudou a criar uma base sólida que suportou a formação de uma superestrutura formal que foi necessária até 1991, quando os conflitos entre as famílias ameaçavam sair de controlo. Enquanto na Cosa Nostra há um capo, na 'Ndrangheta há vários.
Desde então, por consenso, foi decidido designar um chefe máximo da organização, cujas funções estão centradas na resolução de conflitos.
A seguir a esta figura encontra-se A Província, uma estrutura formada pelos chefes das principais famílias a que todos os membros devem obediência. Além disso, contam com um Tribunal encarregue de resolver disputas internas comuns.
A sua organização propicia-lhe duas coisas fundamentais: a primeira delas é que se um chefe de família for preso, a estrutura é pouco abalada dado que não existe uma figura centralizadora comandando as demais. A segunda delas é o seu estilo de investimento. – A 'Ndrangheta funciona por meio de participações. Para importar um carregamento de cocaína da América do Sul, por exemplo, várias famílias investem dinheiro. Caso esta seja apreendida, muitos perdem pouco, o prejuízo é desta forma diluído entre todos.
Na verdade, independentemente do facto de muitos dos chefes se encontrarem fora da região, todos os uomos d’onore devem assistir às reuniões regulares no Santuario della Madonna di Polsi.
Dado que a 'Ndrangheta é uma organização familiar, frequentemente forçando casamentos entre descendentes de famílias, isso praticamente elimina a figura do pentito, o mafioso colaborar da Justiça.
Historicamente, a figura do pentito é a chave que a Justiça utiliza para abrir os cofres e os caixões das máfias. Sem eles, a ação das forças policiais e jurídicas fica extremamente limitada.

A Educação dos uomos d’onore

Graças aos chorudos proventos auferidos com as suas atividades económicas, cada uma destas famílias enviam para estudarem, alguns dos seus filhos e netos nas mais prestigiadas universidades de Milão e outras cidades italianas.
Estes estudantes, vulgarmente chamados de juniors, veem a falar vários idiomas, a possuir títulos académicos importantes e tornam-se membros ativos na sociedade e nas atividades economicas.
A força da ‘Ndrangheta é reforçada, quando estes juniors conseguem estabelecer relações com políticos e empresários para desenvolverem os seus negócios, mesmo que aparentemente lícitos.
Mas a ‘Ndrangheta também acedeu à economia legal. Um dos setores em que se encontra presente é o da gestão do fornecimento de água e de resíduos sólidos, a qual lhe permite auferir chorudos lucros com baixo risco.      Sem dúvida que a organização tem uma enorme capacidade para corromper e beneficiar dos fundos públicos, sendo que atualmente é muito difícil lutar contra o crime organizado, uma vez que os mafiosos lograram chegar aos altos cargos públicos, ao mundo dos negócios, a toda a economia, estendendo os seus tentáculos aos aparelhos dos Estados.


A ‘Ndrangheta em Portugal

De acordo com Gomorra, um livro publicado por Francesco Forgione, antigo presidente da Comissão Anti Mafia do parlamento italiano, e citando parte do relatório da Europol inserto nele, datado de 2009, Portugal tem um papel significativo no tráfico de droga protagonizado pela ‘Ndrangheta, o principal grupo mafioso italiano envolvido nas redes de cocaína. Salientando que, «embora a maioria da cocaína negociada pela ‘Ndrangheta chegue a Itália por via marítima, diretamente da “fonte”, a Colômbia, a droga é também, em quantidade significativa, distribuída através de Portugal, em alguma quantidade via França, mas especialmente através da Alemanha, onde o crime organizado italiano tem importantes bases de apoio (…) os membros italianos apoiam-se nos grupos de crime organizado envolvidos no tráfico de cocaína em Portugal».
Neste seu livro, Forgione refere Faro e Setúbal – ambas com portos e zonas costeiras apropriadas para desembarques – como locais de bases da mafia calabresa, sendo que a Camorra possui igualmente um clã em Cascais e outro no Porto, com participação de operacionais portugueses e brasileiros.
Os tentáculos da ação da ‘Ndrangheta em Portugal – e outros países da Europa especialmente os que estão em crise – por via da aliança com o maior e mais sanguinário cartel mexicano da atualidade, os Zetas, tornaram-se muitos mais complexos.
De acordo com a Procuradoria Distrital Antimafia de Reggio Calábria, a ‘Ndrangheta domina o mercado da cocaína na Europa, graças às relações com os narcotraficantes colombianos, mas sobretudo graças à aliança com os Zetas.     
Recentemente, no passado mês de Abril, uma operação da polícia portuguesa desmantelou e deteve um grupo de 44 membros da ‘Ndrangheta, no Porto de Leixões e apreendeu mais de 300 quilos de cocaína que ia ser transacionada para a Europa.

NOTA
Para o leitor interessado em aprofundar este tema, pode consultar imensa bibliografia em diversas línguas, assim como artigos publicados na internet.

Sem comentários:

Enviar um comentário